(84) 32743578

NO AR

Bom Dia Ceará-Mirim

www.87fmvaleverde.com

ceara_mirim

Advogado Ricardo Sobral descreve poeticamente a cidade dos Verdes Canaviais

Publicada em 20/08/18 as 14:53h por Potiguar Noticias - 311 visualizações


Compartilhe
   

Link da Notícia:

Partindo do tronco fundador, estou na quarta geração familiar. Depois de mim, duas outras gerações; mas tem galhos da mesma árvore genealógica com três, quatro gerações além, plasmando uma presença que caminha para fechar os duzentos anos.
 
De modo que aqui nada aconteceu sem que tivesse pelo menos um de nós como protagonista.
 
No passado mais remoto, Ceará-Mirim foi visitada pelos fenícios, que adentraram pela Barra do Rio. Aqui, quando Extremoz nos pertencia, nasceu no Guagiru Felipe Camarão, nosso maior guerreiro.
 
Fui menino do Engenho Laranjeiras. Estudei no Barão, no Imaculada, no Estadual, frequentei a cruzadinha.
 
Andei por suas ruas íngrimes e silenciosas nas noites indormidas e boêmias. Vi o trem na estação conduzindo pessoas para o sertão.
 
Vi os engenhos moendo, produzindo mel de furo, açucar mascavo, rapadura e aguardente. Andei nas  marias-fumaças puxando vagões carregados de cana. Vi as usinas transformando o canavial em açucar branco, com seus apitos estridentes. Tomei banho no Rio dos Homens, no velho Olheiro, no Rio D'agua Azul, e nas Praias de Muriú e Jacumã. Corri em carvalhadas feito um Mouro e derrubei boi na faixa nas vaquejadas. Assisti as missões de Frei Damião e tomei muita carraspana com caju nas barracas da festa da Padroeira.
 
Dancei nas famosas festas e bailes do Centro Esportivo e Cultural.
 
Joguei sinuca no bar de Seu Cleto e tomei cerveja na Flor do Meu Bairro.
 
Destampei os barris de Seu Egídio e abri as torneiras dos carros pipas de Seu Graciano.
 
Escutei à exaustão na sorveteria bacana as músicas de Jerry Adriani,  Nelson Gonçalves, Altemar Dutra, Wanderleia, Nelson Ned, Agnaldo Timótio, Waldick Soriano, nas tardes de domingo, após a missa na Matriz.
 
Assisti filmes faroestes no cine paroquial, com Giuliano Gema e Fernando Sancho. Tomei caldo de cana com pão doce ao coco no Mercado Central. Apartei briga de bêbado no cabaré, onde Sueli tirou a inocência do adolescente.
 
Os blocos carnavalescos eram imperdíveis. A morte do caçador, que tinha no cabeceiro Zé do Mundo o ator principal, era um espetáculo teatral à ceu aberto que impressionava. Tirei à terreiro as figuras populares da cidade, como Antônio Domingos, enlouquecido por um amor não realizado, que perambulava pelas ruas imitando o trem, usando chapeu e tamancos de madeira por ele mesmo fabricados.
 
O ciclo se fechou. Nada disso mais existe, senão na memória do menino que teime existir no adulto.



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








LIGUE E PARTICIPE

(84) 3274 3578

Visitas: 1311406
Usuários Online: 21
Copyright (c) 2020 - 87 FM Vale Verde - Desenvolvido por 87 FM Vale Verde